9 de ago de 2009

A arte de Contar Histórias

Este ano estou trabalhando com o Magistério (IEE).Inclusive. Uma nova experiência muito gratificante de formar aquelas que logo estarão em sala de aula fazendo a diferença com as crianças.

Quero mostrar a vocês um dos projetos no final do semestre, que foi maravilhoso em todos os aspectos . As respostas da meninas , os aprendizados, a alegria de ampliar os conceitos e a apresentaçao final.

Como contar história para crianças? Será que elas ainda tem interesses?

Introduzi o assunto apresentando vários tipos de livros de histórias. É preciso separar o livros paradidádicos dos livros de histórias. Dois momentos diferentes. A Hora do conto é despertar a magia e o encantamento de ler e viajar em mundos imaginários.

Livros paradidáticos são excelentes. Ajudam o professor a tratar assuntos de forma lúdica. Sabemos que um conceito apresentado por meio de histórias , são inesquecíveis.

Utilizei a história da Menina e o Pássaro , de Rubens Alvez, como um excercício de interpretação psicológica dos personagens e mensagem da história.

Escolhi a história do Abacaxi Miúdo que está no livro do Gabriel Chalita , a Ética do Rei Menino, para contar em sala. Elas não tinham o texto, só minha narrativa oral. Já contei esta história em várias turmas, diferentes idades. Sempre agrada e diverte.

Quando terminei de contar a história pedi a elas que contassem a história, agora em quadrinhos. Muitas diziam ter dificuldades de memorizar histórias para contar às crianças . Será?

Olhem o trabalho feito pela Viviane Oliveira:

Quando terminaram de desenhar ,contavam a história sem problema algum. Precisamos ainda aprofundar as técnicas. Mais um texto de apoio : Contar e encantar, pequenos segredos da narrativa da Cléo Bussatto.Alinhar ao centro

Imaginem meu estusiasmo, este clima favorável para o aprendizado , é que precisamos resgatar. A sociedade como um todo precisa devolver ao professor o seu papel de educador e formador de conhecimento .

Finalizando, entreguei à elas a Fábula da forminguinha e o Floquinho de Neve. Na última semana de aula, as alunas do Magistério apresentaram o teatro. Aqui vc confere as fotos .

Promessa cumprida à elas de comentar aqui nosso Projeto .

Valeu,Meninas! É um privilégio ser professora das turmas 401, 402 ,403 “O contador de histórias nos faz sonhar porque ele consegue parar o tempo nos apresentando um outro tempo”.Cléo Busatto Fábula ( aqui uma nova leitura da Fábula) A Formiguinha e o Floquinho de Neve

Certa manhã de inverno, uma formiguinha imprudente

afastou-se do formigueiro pelo meio da neve e nela prendeu seu pezinho.

Aflita, começou a pedir ajuda com a voz chorosa e cheia de auto-piedade, esquecida de sua imprudência inicial:

- Oh, Sol, tu que és tão forte, derrete a neve e desprende meu pezinho...

E o Sol, indiferente nas alturas, falou:

- Mais forte do que eu é o muro que me tapa!

Olhando então para o muro, a formiguinha pediu:

- Oh, muro, tu que és tão forte, que tapas o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E o muro que nada vê e muito pouco fala respondeu apenas:

- Mais forte do que eu é o rato que me rói!

Voltando-se então para um ratinho que passava apressado, a formiguinha suplicou:

- Oh, rato, tu que és tão forte, que róis o muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

Mas o rato, que também ia fugindo do frio, gritou de longe:

- Mais forte do que eu é o gato que me come!

Já cansada, a formiguinha pediu ao gato:

- Oh, gato, tu que és tão forte, que comes o rato, que rói o muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E o gato, sempre preguiçoso, disse bocejando:

- Mais forte do que eu é o cão que me persegue!

Aflita e chorosa, a pobre formiguinha pediu ao cão:

- Oh, cão, tu que és tão forte, que persegues o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E o cão, que ia correndo atrás de uma raposa, respondeu sem parar:

- Mais forte do que eu é o homem que me bate!

Já quase sem forças, sentindo o coração gelado de frio, a formiguinha implorou ao homem:

- Oh, homem, tu que és tão forte, que bates no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E o homem, respondeu apenas:

- Mais forte do que eu é o Deus que te Criou!

Quase morrendo, a formiguinha rezou baixinho:

- Meu Deus, tu que és tão forte, que governas a morte, que mata o homem, que bate no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E Deus, então, por AMOR a formiguinha , fez girar mais depressa o tempo e em dois minutos fez-se a primavera e no campo agora coberto de flores multicores estava derretida toda a neve , o frio, toda a prisão.

A formiguinha, porem, não arredou o pé de onde estava ate chegar o inverno seguinte, quando um outro floco de neve pendeu o

Pé que ela nunca tinha libertado.

(fonte :Tecendo Fio de Ouro)